Cve_log.gif (1467 bytes)

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A RUBÉOLA

PARA MULHERES DE 15 A 29 ANOS

5 a 16 DE NOVEMBRO DE 2001.


O que é a Rubéola?

É uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa por via respiratória, isto é, o indivíduo doente lança no ar o vírus existente nas secreções nasais e da garganta.

A pessoa suscetível (não protegida, sem anticorpos), quando infectada poderá apresentar após um período de incubação de cerca de 20 dias: febre não elevada, manchas vermelhas pelo corpo (chamado exantema), "ínguas" no pescoço e nuca. Vários casos podem não apresentar o exantema e a doença passar despercebida.

Como prevenir a rubéola?

A prevenção da rubéola é feita através da vacinação. A vacina contra a rubéola contém o vírus vivo atenuado, isto é enfraquecido, mas com capacidade de induzir o organismo humano a produzir anticorpos.

No calendário de vacinação de rotina a vacina é aplicada aos 15 meses (junto com as vacinas contra o sarampo e a caxumba).

Todas as pessoas vacinadas estão protegidas?

A vacina contra a rubéola é muito boa, tem 95% de eficácia quando aplicada após o primeiro ano de vida.

Estão ocorrendo casos de rubéola no estado de São Paulo?

Sim. O Sistema de Vigilância da doença detectou inúmeros surtos de rubéola no ano 2000, totalizando mais de 2.500 casos da doença. A maior proporção da doença ocorreu nas pessoas entre 20 a 29 anos de idade. Em gestantes foram confirmados 135 casos de rubéola.

No ano 2001 surtos localizados vêm sendo notificados e, recentemente, houve um aumento da incidência dos casos em universidades e locais de trabalho, onde se aglomeram adultos jovens.

A rubéola é doença grave?

Normalmente a rubéola é benigna, exceto quando atinge uma mulher grávida. A rubéola na mulher grávida é uma doença grave porque pode causar um aborto ou o bebê poderá nascer com defeitos congênitos, como: problemas no coração, cegueira, surdez, retardo mental, etc. Estes defeitos no recém nascido caracterizam a Síndrome da Rubéola Congênita.

Por quê a realização da campanha de vacinação este ano?

O vírus da rubéola circula quando encontra pessoas desprotegidas. A vacinação contra a rubéola, no serviço público, iniciou em 1992 com a vacinação de mais de 95% da população de crianças de 1 a 10 anos de idade. A partir de então, esta vacina passou a ser aplicada rotineiramente aos 15 meses de idade.

Com o aumento de casos em adolescentes e adultos jovens, e o risco do acometimento da doença em mulheres grávidas, é necessária a adoção de uma estratégia que permita reduzir a circulação do vírus da rubéola e eliminar a Síndrome da Rubéola Congênita.

Diante da disponibilidade de vacinas, adquiridas pelo Ministério da Saúde, suficientes para realizar uma campanha nos estados brasileiros que estão com situação semelhante, e estabelecendo como prioridade a eliminação da Síndrome da Rubéola Congênita a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo promoverá uma CAMPANHA DE VACINAÇÃO PARA MULHERES em novembro de 2001.

Quem deverá ser vacinado?

Deverão ser vacinadas nesta campanha TODAS as mulheres de 15 a 29 anos de idade mesmo aquelas que já tomaram a vacina anteriormente ou que referem já ter tido a doença.

A vacina utilizada será a vacina dupla viral (contra o sarampo e a rubéola).

Por quê vacinar as mulheres de 15 a 29 anos?

Porque a maior proporção de casos está ocorrendo nesta faixa de idade, e as mulheres estão em idade fértil, caracterizando um risco de nascerem bebês com a Síndrome da Rubéola Congênita.

É importante que se consiga vacinar mais de 95% das mulheres, pois desta forma reduz-se a circulação do vírus.

As mulheres que já tiveram filhos ou que não pretendem tê-los, recebendo a vacina não transmitirão o vírus para gestantes.

As mulheres já vacinadas ou que referem já ter tido a doença ao receberem a vacina contra a rubéola NÃO têm risco de apresentarem maiores efeitos colaterais, além disso estarão mais protegidas pois cerca de 5% das vacinadas anteriormente podem não ter desenvolvido anticorpos.

A mulher grávida pode receber a vacina ?

A mulher grávida deverá receber a vacina somente após o parto, na própria maternidade ou em qualquer unidade de saúde. Esta vacina continuará disponível nas unidades de saúde, após a campanha para estas mulheres.

PERÍODO DA CAMPANHA :

  • 5 A 16 DE NOVEMBRO - NOS DIAS ÚTEIS NO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DE SAÚDE.
  • 10 DE NOVEMBRO - SÁBADO - 8 ÀS 17 HORAS EM TODAS AS UNIDADES DE SAÚDE

 

 

DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA

DIVISÃO DE IMUNIZAÇÃO

CVE/CIP/SES-SP

OUTUBRO/2001